Reduzir devoluções: uma luta constante do setor têxtil

maio 09

Conforme o mercado digital avança, aumentam proporcionalmente alguns problemas que afetam este tipo de venda, incluindo as devoluções.

No entanto, o desafio de reduzi-las já está sendo trabalhado para que o número de peças devolvidas diminua. Para saber mais sobre o tema, continue a leitura abaixo!

O quanto as devoluções afetam as confecções?

Comprar a peça, ficar na expectativa e, quando ela chega, não fica como esperado no corpo. Esta é uma situação que nenhum consumidor deseja passar, pois gera frustração e a troca, por mais facilitada que seja, ainda é um contratempo.

Para a confecção a situação também não é nada agradável, uma vez que, além do fato de que é necessário arcar com os custos dessa devolução e de um novo envio (as devoluções custam cerca de quatro vezes o valor das entregas), ainda há o retrabalho de voltar a peça para o estoque e haver a necessidade de vendê-la por um valor menor, causando prejuízos.

Neste trecho de um artigo do Procon, é dito que:

“De acordo com o Código de Defesa do Consumidor, no caso da peça apresentar vícios aparentes, o adquirente tem 90 dias para trocá-la e o estabelecimento, 30 dias para resolver o problema. Passado este prazo sem que o vício seja reparado, o consumidor tem direito a troca do produto, à restituição da quantia paga (atualizada monetariamente) ou o abatimento proporcional do preço.”

Apesar disso, estima-se que a média de devolução das peças chega a 1% das entregas realizadas e as trocas por volta de 5%. O número é alto e afeta negativamente as confecções, uma vez que o cliente perde a confiança na marca e ainda há o prejuízo para lidar.

 

Banner do e-book: evolução da confecção 4.0.

 

Quais são as soluções que estão sendo adotadas para reduzir devoluções?

Buscando desenvolver soluções para evitar os problemas mencionados, algumas confecções já lançaram estratégias que tiveram resultados positivos. Nós as trouxemos para que elas possam servir de inspiração para reduzir as devoluções em sua indústria.

Software que sugere tamanhos

Uma das soluções viáveis é a implantação de um software em que o consumidor insere altura e peso e são sugeridos tamanhos certos das peças aos consumidores. Caso o cliente já tenha realizado compras anteriormente, o histórico também é avaliado. Empresas como a H&M e a Zara implantaram esse sistema.

Teste em modelos

Na Zalando, cerca de metade dos produtos vendidos eram devolvidos. Buscando evitar este problema, a empresa passou a utilizar modelos para testar as peças. Inicialmente eram apenas calçados, mas como funcionou bem, eles passaram a implementar os testes também para artigos de vestuário.

Funcionária da Zalando medindo cliente.
Zalando realiza teste com modelos nas peças de vestuário para reduzir devoluções.                                                                Fonte imagem: portugaltextil.com

Agora a empresa já consegue verificar os problemas com as peças mais rapidamente e assim passaram a reduzir devoluções.

Conversa com um consultor

Não são apenas os tamanhos das roupas que podem influenciar na devolução de peças. De acordo com a localidade, as pessoas passam a gostar de roupas mais apertadas ou mais largas. Pensando nessas características, a N Brown passou a oferecer a possibilidade da conversa com um consultor da empresa por Skype.

Durante a conversa, o profissional indica ao cliente como determinada peça irá se assentar no corpo de acordo com as medidas dele e das roupas. De acordo com a CEO Miriam Lahage, a conversa cara a cara ajuda a tirar dúvidas e cria uma ligação do cliente com a empresa, facilitando a compra e reduzindo as devoluções.

Ferramentas de medição

Na Mango são utilizadas ferramentas de medição da Fit Analytics, uma empresa que também tem como clientes grandes nomes como Tommy Hilfiger, Calvin Klein e Hugo Boss. Chamada de Fit Finder, a ferramenta também já está sendo utilizada pela Dafiti e encontra os tamanhos ideais das roupas conforme altura e peso indicados pelo cliente.

Provador Virtual

Imagine inserir informações de peso e altura para gerar um modelo 3D do corpo e utilizá-lo para encontrar as melhores peças? Essa é a aposta da GAP, que utiliza um aplicativo que possui essa funcionalidade.

No entanto, o serviço tem como barreira funcionar apenas no smartphone Google Tango — ao menos por enquanto.

 

 

Por onde começar?

Como você viu, existem diversas formas de fazer com que o cliente encontre a melhor peça. Porém, para conseguir de fato reduzir devoluções, é preciso que as peças sejam padronizadas. Afinal, centímetros podem fazer diferença e dizer que a peça veste determinado tamanho e ela vier diferente, pode acarretar mais devoluções.

Além disso, alterações na cor e mesmo pequenas falhas podem causar feedbacks ruins e resultar em avaliações negativas, um grande problema para e-commerces. Sendo assim:

 

O primeiro passo para reduzir devoluções é padronizar a sua confecção e otimizar o controle de qualidade.

 

Para saber mais a respeito deste tema, confira agora mesmo o artigo em que falamos porque a padronização têxtil é importante!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *