set 09

Acredite: o jeito de se vestir expressa quem você é. E a dica quente que nunca sai de moda é ir de jeans. Faça dele a sua tela em branco e, como um pintor, inspire-se e solte a imaginação. A versatilidade da peça é tão grande que dá para compor com ela qualquer tipo de visual. Transforme seu look e ganhe poder usando este curinga fashion.

Tem medo de se mostrar muito sexy? Corra um risco calculado combinando uma skinny com saltos e camisa masculina. Se você é a moderninha da turma, que tal renovar e experimentar um toque clássico no look do dia? Vá de camiseta branca, jaqueta nos ombros e colar de pérolas. As mais básicas podem arriscar e apostar em detalhes que fazem toda diferença, como amarrar um lenço colorido sobre a gola da camisa jeans. Existem mil possibilidades!

Uma história pop
Foi no século XIX que o alfaiate Jacob Davies, do estado de Nevada, nos Estados Unidos, inventou o jeans como o conhecemos hoje. Ele teve a brilhante ideia de colocar rebites segurando as costuras em pontos estratégicos da calça, e rapidamente trabalhadores do campo, mineiros e todos que precisavam de roupas duradouras e baratas estavam usando jeans.

Já nos anos 1950, o jeans começou a se tornar pop. Os filmes O Selvagem (com Marlon Brando) e Rebelde sem Causa (com James Dean) eternizaram o look camiseta branca e calça jeans. A roupa virou sinônimo de rebeldia, juventude e beleza. Nos anos 1960, junto com o movimento hippie, surgiram as calças jeans boca de sino, que imprimiam o clima paz e amor da época. E, na década seguinte, jaquetas e calças ficaram ajustadas, desgastadas e cheias de patches. Nascia o punk. A capa do disco icônico Rockett to Russia, da banda americana Ramones, capturou o espírito do momento em uma foto em que todos apareciam com jeans rasgados nos joelhos.

Chegaram os anos 1980 e o glamour exagerado da década veio na forma de jeans com cintura alta e ombreiras nas camisas e blazers. O hip hop deu o tom em coletes e calças largas, que ganharam força usados com camisetas extralarge e tênis de cano alto. Nos anos 1990, o macacão jeans tomou as ruas e apareceu em modelagens variadas (justo, superlargo, com a barra mais curta). E a onda grunge dominou a cena, com calças rasgadas (menos justas que as dos punks), camisa xadrez e cabelos desgrenhados.

Chegando aos anos 2000, uma nova e inesperada revolução aconteceu. As skinny conquistaram as mulheres. Sem maiores pretensões, a calça justíssima, que parecia ter sido feita apenas para as magras, atraiu pessoas com todos os tipos de corpo, sem preconceitos. A skinny, quem diria, virou uniforme de altas, baixas, gordas e magras.
A onda jeans permaneceu fluindo e, atualmente, este fenômeno atemporal segue apenas uma regra: usa jeans quem quer, como quer, na modelagem que mais lhe agradar. Então… misture, ouse, divirta-se e vida longa à liberdade de expressão que só o jeans proporciona.

Fonte: Revista Quem

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

doze − doze =